Portuguese Pattern (nº65)_2020
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1/1

Padrão Português (nº65)_2020

Madeira e Pão

Wood and Bread

200x120x30cm

Esta obra refere o isolamento visto pelo prisma do excesso, de pessoas, de turismos, de abusos. Reflete sobre a crise habitacional que se sente no Porto ( e em muitas outras grandes cidades) bem como a sobreexploração da sua turistificação (com lojas e comércio antigo a serem substituídos por gourmets, com uma gentrificação abusiva e expulsão de moradores) através da apropriação de um símbolo da arquitectura típica da cidade, o azulejo. A palavra padrão refere-se aqui não só à geometria repetitiva do mesmo, mas ao conceito de norma.

65 é o nº do artigo que refere o Direito à Habitação na Constituiçao Portuguesa. Desde há uma década atrás, após a crise da Troika, houve muitas casas abandonadas no centro do Porto que foram reabilitadas não para arrendamento familiar e permanente, mas para alugueres temporários a turistas. Muitas destas casas foram compradas por grandes aglomerados económicos, que virão na desregulação do mercado uma forma de investimento e de proveitos rápidos e fáceis, especulando ao mesmo tempo todos os preços das áreas circundantes e impossibilitando muitos moradores antigos de continuarem a pagar as suas rendas pela subida desenfreada de valores. Trabalho um dos azulejos de uma dessas casas antes abandonadas e agora transformadas em Alojamento Local em massa de pão, pela simbologia que o pão tem - afinal, pão e água não se nega a ninguém (e a isso eu acrescento que habitação digna também). A obra assume o formato de MUPI precisamente para acrescentar esse sentido de venda, comercialização e publicidade da habitação não duradoura. 

--------------------

This work refers to the isolation seen through the prism of excess, of people, of tourism, of abuses. It reflects on the housing crisis that is felt in Porto (and in many other large cities) as well as the overexploitation of its tourism (with shops and old commerce being replaced by gourmets, with an abusive gentrification and expulsion of residents) through the appropriation of a typical symbol of the architecture of the city, the tile pattern.

65 is the article number that refers to the Right to Housing in the Portuguese Constitution. Since a decade ago, after the Troika crisis, there were many abandoned houses in the center of Porto that were rehabilitated not for family and permanent rental, but for temporary rental to tourists. Many of these houses were bought by large economic agglomerations, which saw in the deregulation of the market an ideal form of investment and quick and easy profits, all the while speculating all the prices of the surrounding areas and preventing many old residents from continuing to pay their rent because of the unrestrained rise in values. I choose one of the tiles in one of those houses that were previously abandoned and now transformed into Hostels and worked it into a dough, due to the symbology that bread has - after all, bread and water are not denied to anyone (and to that I add that decent housing too). The work takes the form of a MUPI precisely to add that sense of sale, commercialization and advertising of non-durable housing.