AnaAlmeidaPinto_MuitaTerra,Muita_2020
press to zoom
AnaAlmeidaPinto_MuitaTerra,Muita_2020_Perfil
press to zoom
AnaAlmeidaPinto_MuitaTerra,Muita_2020_(pormenor)
press to zoom
1/1

Muita Terra, Muita_2020

Metal, Madeira e Isoladores de Porcelana

Metal, Wood and Porcelain Isolators

250x180x60cm

Esta obra refere o isolamento pela escassez - de pessoas, de recursos, de diversidade. Reflete sobre um caso particular, a aldeia da Casa Branca, parte do concelho de Montemor-o-Novo e que nasceu fruto da expansão da linha férrea. É uma aldeia operária onde chegaram a viver 800 pessoas e onde hoje vivem menos de 70. Quase todas as pessoas trabalhavam para a REFER e ajudaram a desenvolver a linha de comboio que vem de Lisboa para Évora, Beja e Espanha. Neste momento, a aldeia está deserta e repleta de casas vazias, em bom estado e á espera de novo dono.  Nos seus primórdios, a aldeia tinha como único recurso de comunicação com o resto do mundo os grandes postes de telefone que lá foram implantados aquando da construção da linha do comboio. Estes isoladores, parte integrante desses antigos postes,  não são apenas um símbolo dessa comunicação mas também da história do desenvolvimento (e consequente paralisação) desta aldeia. Esta é uma homenagem a essa história e aos moradores que ainda oferecem uma nesga de vida às parcas ruas desta aldeia.

--------------------

This work refers to isolation due to scarcity - of people, resources, diversity. It reflects on a particular case, the village of Casa Branca, part of the municipality of Montemor-o-Novo and a place which was born as a result of the expansion of the railway line. It is a working-class village where 800 people lived and where less than 70 live today. Almost everyone worked for REFER and helped develop the train line that comes from Lisbon to Évora, Beja and Spain. Right now, the village is deserted and full of empty houses, in good conditions and waiting for a new owner. In its early days, the village had as its only means of communication with the rest of the world the large telephone poles that were installed there when the train line was built. These insulators, an integral part of these old posts, are not only a symbol of this communication but also of the history of the development (and consequent paralysis) of this village. This is a tribute to that story and to the residents who still offer a slice of life to the sparse streets of this village.