Sunset_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
Ocaso_2017
press to zoom
1/1

Ocaso_2017

Instalação Site Specific

Fitas VHS, Leds, Motor

Site-Specific Installation

VHS tapes, Leds, Motor

400x300x300cm

Especificamente pensado para ser construído neste local (um armazém pequeno que estava a ser reformulado para passar a ser um espaço de exposição), a instalação Ocaso pretende reconhecer todos os diferentes significados que um Ser Humano pode dar a um objeto e a um espaço. Nomeamos e usamos tudo o que nos rodeia, queremos tomar posse de tudo apesar de sabermos que o tempo passa e tudo muda continuamente. Consideramos o passado como algo a ser superado. O que faremos com tudo o que deixamos para trás? Usemos objetos antigos para construir novos. Peguemos naquilo que é e virêmo-lo ao contrário. Escrevamos novas histórias para o que é obsoleto. Procuremos um sentimento de descoberta no que é habitual. Abramos a porta do movimento e da acção, para que possamos encontrar tudo dentro de tudo. Somente então novos significados poderão emergir. Como deveriam.

--------------------

Specifically thought to be built in that space (a storage room that was being renovated and given a new purpose as an exhibition space), the installation Ocaso means to acknowledge all the different meanings a Human Being can give to an object and a space. We name and we use all that surrounds us, so as to take possession of everything all the while knowing that time passes and everything keeps changing. We look at the Past as something to be surpassed.What should we do then with all that we keep leaving behind?

We shall use old objects to build new ones. Take what is and turn it upside down. Write new stories for what is obsolete. Seek a feeling of discovery in what is usual. Open the door to movement and action, so that we can find everything within everything. Only then new meanings can emerge. As they should.